Faça Terapia

Você sabe como funciona um processo psicoterapêutico? Está pensando em iniciar um e não sabe por onde começar? Está em dúvida se realmente resolve alguma coisa? Qual a diferença entre conversar com um psicólogo e um amigo? Okay, muitas dúvidas, não é? Eu vou te ajudar e tentar responder algumas delas, mas se não for suficiente para ti, me escreva com as suas dúvidas [é só clicar no menu “contato”] ou agende uma sessão para esclarecê-las pessoalmente, fechou?

Antes de tudo, um processo psicoterapêutico (que alguns vão chamar de processo terapêutico ou só de terapia) tem o objetivo de auxiliá-lo no autoconhecimento e no desenvolvimento de habilidades necessárias para lidar com situações difíceis. É um espaço para que você diga aquilo que sente: tanto o que te alegra, quanto o que te aflige.

Costumo dizer aos meus clientes que é um espaço em que você pode falar sem medo e experimentar ser quem você, de fato, é. A relação que se estabelece entre um cliente – ou paciente ou analisando e tantos outros títulos – e um terapeuta é uma parte determinante para a eficácia do processo terapêutico. Obviamente que no começo é um pouco estranho e desconfortável, afinal de contas, você está falando de si – algo que normalmente as pessoas tem dificuldade para fazer – para um completo estranho. Conforme o processo vai caminhando, vai ficando mais confortável (juro!).

Hoje em dia a palavra do momento é PRODUTIVIDADE. Consequentemente, nestes tempos de “ser produtivo”, muitas vezes não conseguimos dedicar um tempo para gente, não é? O processo terapêutico vai pensar nisso contigo e, ele em si, já é uma oportunidade para que você pare por um tempinho para pensar na sua vida, além de se caracterizar como um autocuidado importante.

Atualmente, o formato mais comum, prevê sessões semanais e com duração de 50 minutos. É claro que isso pode variar, a depender do profissional e da maneira como ele trabalha, mas estes detalhes a gente sempre conta e esclarece na primeira sessão.

Uma pergunta muito comum é: mas isso funciona? Há inúmeras pesquisas científicas que comprovam a eficácia da psicologia clínica. E, nesse sentido, busque um profissional com o qual você se sinta a vontade e que possa lhe oferecer serviços psicoterapêuticos baseados em evidências.

Muita gente diz que prefere conversar com os amigos a ir num psicólogo. Mas pera lá, uma coisa é uma coisa e outra coisa, é outra coisa! (risos) Dentre as muitas coisas que fazemos, quando temos amigos, uma delas é conversar e isso é mesmo uma delícia. Estabelecer laços de amizade é algo importante para nossa saúde mental, afinal, somos uma espécie que precisa do outro para sobreviver.

Neste ponto, vale dizer que numa relação de amizade, nossos amigos estão lá para exercer seu papel e, portanto, vão palpitar, dizer o que pensam, (talvez) falar coisas a partir da própria experiência pessoal e anular a tua, julgar e por aí vai (não é por mal, na maior parte das vezes, eles estão fazendo o melhor que podem). Além disso, há um envolvimento emocional que poderá impedi-lo de se isentar em algumas situações ou que acabará tornando inviável que ele consiga ajudar de alguma maneira. Um psicoterapeuta, além de ter sido preparado ao longo de alguns anos para obter manejo técnico para lhe ouvir, não irá julgá-lo, pensará junto contigo em maneiras de enfrentar situações que sejam difíceis, não só pensando nas alternativas, mas também auxiliando na compreensão de algumas coisas que você faz e no por que faz.

Um processo psicoterapêutico permite que você fale sem ser julgado, alcance melhores versões de si mesmo, melhore seus relacionamentos, enfrente as suas dificuldades, seja acolhido e compreendido, desenvolva novas habilidades e abandone hábitos prejudiciais.

Por fim, a psicoterapia é um processo que acontece entre um indivíduo e um terapeuta, ambos colaboram de maneira intensa e significativa, portanto, ao longo de um processo psicoterápico é esperado que vocês trabalhem para encontrar as mudanças necessárias em sua vida e, também, uma maneira de realizá-las, a fim de te ajudar a lidar com os aspectos que lhe geram algum sofrimento.

Ao final do seu processo, além de ter trabalhado para resolução do problema que lhe fez procurar um psicólogo, características importantes e o desenvolvimento de novas habilidades terão, também, sido aprendidas.

Quer saber mais? Escreve para mim! Terei prazer em falar contigo!

%d blogueiros gostam disto: