Da próxima vez que decidir amar, exija reciprocidade desde sempre

     Sempre pensei bastante neste assunto e decidi escrevê-lo considerando três aspectos: a) a prática clínica; b) a infinidade de artigos, livros e textos que já li e; c) minha própria história de vida. Antes de prosseguir, devo advertir: se você espera encontrar um “passo a passo” de como se relacionar com outra pessoa, esse texto não vai ajuda-lo nisso. Até porquê, não há receita para amar.

     Na verdade, não seria nada mal se existisse uma receita, admito. Imaginem só:

  1. Acrescente duas colheres de mensagens no WhatsApp;
  2. Três xícaras de beijos;
  3. Cinco colheres de carinho matinal e mais duas noturnas;
  4. Mexa delicadamente e despeje, sem deixar de mexer, uma lata de declarações de amor e mais duas gotas de saudade;
  5. Não deixe de fora o “desliga você” e, tão menos, o “eu te amo” a cada despedida;
  6. Acrescente o tempo todo, algumas pitadas de carinho e sedução.
  7. Despeje numa forma untada com lábios de mel e mantenha quente, porque se apagar desanda (aah, é preciso ter mão boa, do contrário (risos))…

     Enfim, seria ótimo se pudéssemos simplificar nossos relacionamentos e corrigi-los seguindo algumas “dicas de amor”. Aliás, se fosse assim, não ia faltar amor no mundo. Há, é claro, uma infinidade de textos que falam sobre saber ouvir, ser companheiro, cúmplice, fiel e uma série de coisas que sabemos ser importantes em um relacionamento. Mas, também não é sobre isso que vamos discutir.

     Gostaria que pensássemos e discutíssemos o início de tudo. Isso mesmo, o começo das relações. A forma como um relacionamento começa, revela muito sobre como ele será. Sabe aquela decisão de atender ao pedido da namorada, mesmo sendo contra a sua vontade, só porque está perdidamente apaixonado e não quer correr o risco de magoá-la? Então, isso é o começo de um futuro problema.

     Não é novidade para ninguém que no começo tudo são flores, não é mesmo? É comum, por exemplo, deixarmos de fazer coisas que tínhamos o hábito de fazer, é normal perdoarmos com mais facilidade e aceitarmos tudo aquilo que que nosso parceiro nos pede. Estamos apaixonados e queremos fazer de tudo para manter esse sentimento.

     É difícil controlar a emoção e não sorrir ao pensar na pessoa que está nos fazendo tão bem. A paixão acaba mexendo conosco, afetando nosso “estado normal” de ser. Penso que não há como agir racionalmente, quando se está no ápice do começo de uma relação amorosa.

     Aparentemente, nos comportamos como se fôssemos perfeitos e não humanos. Queremos acertar e sempre agimos pensando no outro. Acontece que os dias passam e a vida vai acontecendo. O que antes era novidade, passa agora a ser parte do dia a dia. Com isso, algum tempo depois, algumas antigas maneiras de agir, começam timidamente a reaparecer. É como se tivéssemos tirado férias de quem somos, para viver numa pousada, junto com o outro. Não há você, não há eu, só havia nós.

     Muitos casais querem ser “nós”. Há muitos textos por aí que discorrem sobre a importância de ser um só e de viver um para o outro. Concordo que é bonito e romântico pensar assim, mas não dá certo (poucas vezes eu sou tão categórico em um texto, mas para isso, serei). Isso mesmo, não dá certo. Se você conhece alguém que vive uma relação (e que ambos são felizes), em que um é pelo outro,  unicamente um para o outro, gostaria muito de conhecê-los e rever meu modo de pensar.

     Se tivesse que pensar numa receita, seria algo em que contemplasse a existência de um eu, de um você e, também, de um nós. Mas, reparem, como três itens distintos, separados e individuais. Deixar de viver por si e passar a fazer isso em função do outro é uma tarefa arriscada. Um relacionamento deste tipo tende a gerar dependência – um dos dois sempre vai acabar dependendo do outro para tudo, deixando de viver para si, para viver para o outro; Nesse sentido, um dos dois acaba sendo submisso, justamente por passar a aceitar e perdoar coisas que incomodam, muitas vezes por se prender a esperança de que as coisas podem mudar e de que o amor supera qualquer coisa (essa regra social é culpa dos filmes de Hollywood rs). Mas, atenção: As coisas só mudam, quando você muda.

     Há uma série de relacionamentos abusivos que, ao se romperem, geram um sofrimento maior para uma das partes. Numa relação, é necessário equilíbrio e honestidade . Você precisa jogar limpo e precisa permitir que o outro tenha espaço para si. Não invista tanto em relações simbióticas. Zele pela sua individualidade, esteja bem consigo e saiba com clareza das coisas que te fazem feliz.

     Algumas vezes encaramos os relacionamentos como uma fuga da solidão, ou pior: como uma fuga de nós mesmos. Já conheci pessoas que emendavam uma relação na outra e pouco ficavam sozinhas. Outras que, apesar de não namorarem numa frequência alta, tinham uma série de aplicativos de relacionamento e conversavam com muitas pessoas ao mesmo tempo. Percebi que muitos faziam isso, por não suportarem a ideia de ficar sozinhas, já que, de alguma forma, isso as obrigava a “olhar” para si (e nem sempre gostamos do que vemos).

     Engajar-se numa relação saudável requer algum equilíbrio individual próprio. É importante estar bem consigo mesmo, é fundamental gostar de si. Você precisará confiar no outro, mas se não é capaz de fazer isso, precisa então, repensar alguns aspectos da sua vida. Procure um terapeuta, uma clínica-escola caso não tenha condições financeiras, mas faça algo. Faça algo por você e, antes de tentar preencher o vazio que você sente por não gostar tanto assim de ti, tente aprender a se aceitar da maneira como você (um terapeuta também pode ajudar nisso).

     O intuito não é tornar esse texto mais do mesmo e, tampouco, falar sobre a importância do amor próprio. O objetivo central é: preste atenção na maneira como você constrói seu relacionamento. Sabe tudo aquilo que você releva no começo? Sabe a vontade constante de querer fazer tudo pelo outro e, no fim, ver que ele não faz o mesmo por você? Então, busque equilibrar e construir começos conscientes, sem a exasperação da paixão (por mais difícil que isso seja). Você não precisa refrear o sentimento, deixe fluir, aproveite todas as maravilhosas sensações que isso lhe causa. Mas, tente aproveitá-lo sendo você (e gostando do que você é). Aja com franqueza, dialogue, fale do que gosta e, também, do que não gosta.

     Se você, antes, fazia tudo pela pessoa, atendia todas as suas vontades e sempre estava ali por ela, não pode culpa-la por ser uma egoísta e querer que você faça tudo. Você sempre foi assim, quem está mudando é você. A outra pessoa apenas está querendo que seja como sempre foi, como você permitiu que fosse. Não abra mão da reciprocidade. Ela deve ocorrer sempre (e isso inclui o começo).

     Relações que começam equilibradas, conscientes e sinceras tendem a florescer e propiciar diversos momentos especiais. Relacionar-se não é uma tarefa fácil, há uma infinidade de dificuldades. Se ainda não deu certo, não é culpa sua. Mas, ao tentar de novo, lembre-se: você não precisa atender todas as necessidades da outra pessoa – é para ser uma relação amorosa e não uma relação parental – e esteja ciente do que você é. Aprenda a ser suficiente para si. Complete-se antes de querer completar alguém.

 

Sobre o autor:

Alex Valério é especializando em Terapia Comportamental pela Universidade de São Paulo (USP). Psicólogo pela Universidade Nove de Julho. É redator no Portal Comporte-se, colunista no Psicologia Acessível, no Educa2 e, também, escreve para o próprio blog. Realiza atendimento clínico para adolescentes, adultos e casais. Está localizado na Avenida Paulista, em São Paulo. Além disso, oferece orientação psicológica através do PsicoOnline. Possui interesse em poesia, literatura, crônica, cinema, música e tecnologia. Contato: facebook.com/ominutoterapia.

Escrito por Alex Valério

Alex Valério é psicólogo comportamental contextual (CRP 06/134435). Especialista em Terapia Comportamental pela Universidade de São Paulo (USP). Realiza atendimento clínico para adolescentes e adultos. Está localizado no bairro da Bela Vista, em São Paulo, próximo ao Metrô Trianon Masp. Possui interesse em música brasileira, poesia, literatura, cinema e tecnologia. Contatos: E-mail: alex@minutoterapia.com Fanpage: facebook.com/ominutoterapia Insta: @minutoterapia

2 comentários

    1. Oi, Foxy,
      Eu dei uma olhada rápida no seu blog e os títulos dos textos que você escreve me agradaram. Hora dessas vou passar para dar uma lida com calma.
      Agradeço por sua visita e pelo comentário. Acredito que, algumas vezes, uns “tapas na cara” – não no sentido literal, please – nos despertam para algo.
      Voltei sempre 😉

      Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: